quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Por que não há rimas para o teu nome



Escreverei
antes que este dia acabe
um poema sobre teu nome
que ainda sim, não impedirá em breve, o doce fim do mundo

Escreverei
antes que este dia acabe
teu nome, diversas vezes, em um poema
que, este sim, interferirá no balé dos astros e constelações
fazendo surgir assim um novo e 13º signo

Escreverei então
um poema sobre teu nome
todos os dias
com o afinco de valentão centroavante exímio
ao celebrar gol chorado nos estertores do 2º tempo

Escreverei, diversas vezes
todos os dias
teu nome em um poema
que findado, não caberá inteiro
rabiscado sobre o Trópico de Capricórnio

Escreverei, um dia
em todos os meus poemas
teu nome
após passar noites em claro
decifrando rimas e palavras perdidas
em dialetos mortos

Escreverei, um dia
um poema sem rimas sobre
teu nome
que atravessará o Atlântico
e será compreendido pelos bantos congoleses
em sua ancestral espiritualidade
como o grito primal de seus deuses do mar

Escreverei, um dia
todas as rimas de teu nome em
um poema
silencioso como um tigre, felino em riste
sob à espreita na escuridão
abissal da floresta

Um dia, não escreverei mais
pois finalmente, todos os meus poemas
serão somente
teu nome

3 comentários:

Leonardo Lacerda disse...

fala, guerreiro! Que o Rio seja proveitoso! Grande Abraço!
Leonardo Lacerda
http://excritamarginal.blogspot.com.br/

Leonardo Lacerda disse...

Irmão, expus lá na Força das Formigas.
Espero que tudo esteja em ordem..
Segura aí o endereço do meu blog.
Querendo fazer uma visita..
abraços.
http://excritamarginal.blogspot.com.br/

Léo Lacerda

Leonardo Lacerda disse...

Fala, Robson. Expus na Força das Formigas..

Segue aí o end. do blog caso queira dar uma olhada..
abços

http://excritamarginal.blogspot.com.br/
léo lacerda