segunda-feira, 31 de março de 2008

a voz e as palavras


Se a voz que diz
FIRME
treme

treme é por que talvez bata um vento

sinta um frio

mesmo que diga a palavra
CALOR



A voz e as palavras, andam juntas, mas desconfio que se apedrejem em quartos escuros.

As palavras teimam em vir de supetão, de rompante, trombando, se amontoando na porta da voz, e querem o que querem na hora que querem e não se importam se a voz, solitária, rouca pode atendê-las... palavras espalhafatosas, rudes, malcriadas, birrentas.
As mais educadas vêm atrás esperando sua vez que pular da garganta e estalar a língua.
A voz muitas vezes não consegue corresponder aos caprichos e desejos das palavras, não consegue, tamanho o seu trabalho, de ocupar o exato espaço no tempo e no mundo tal qual seria o significado e o tom que aquela palavra e frase mereciam...
A voz é erudita, estudiosa, dedicada, atenciosa aos detalhes, as palavras são galhofeiras, andam em bandos, e podem muito bem, ao mesmo tempo serem dóceis e logo em seguida cruéis ... e além de tudo as palavras têm 1 zilhão de vozes pra conhecer, não se amarram assim tão fácil, querem várias bocas, gostam de beijos longos ...
Porém existem aquelas vozes de que as palavras se afeiçoam mais e sentem flanar macia sua dicção ao saírem das cordas vocais...

A voz é triste, única, mortal
as palavras são dionisíacas, mas prisioneiras da voz
existirão, as palavras, pra sempre, mesmo que não exista voz ...



A voz trêmula que afirma, afirma como palavras e nega como voz.
F. Pessoa

--------------------------------------------------------------------------

Poema escrito sob a inspiração da leitura do livro “Ao encontro da PALAVRA CANTADA – poesia, música e voz” – Editora 7 letras.
Tem na Biblioteca da UFU, depois fui escutar “O Camelo e o Dromedário” e “Palavras”, ambas do disco Ô Blésq Blom dos Titãs.

2 comentários:

Anônimo disse...

As palavras são um tanto perigosas...

Robisson disse...

andam em bandos

mas eu as adoro mesmo assim
rssss