quarta-feira, 9 de abril de 2008

Poema de ruas e avenidas




Evito poemas que comecem com “Ó Virgem Imaculada ...”
Prefiro “Psiu” ou “Hey gata”

Que digam sobre a lua, o orvalho e o vento
Sobre rosas e chá, nem pensar
Prefiro cocaína, esterco e goma de mascar

Que chorem dores incomensuráveis ou que queiram salvar o mundo
Prefiro poemas que dispensem apresentações

Evito poemas que digam sobre o proprio umbigo ou programas de televisão
Prefiro a vida dos outros, dos bêbados das putas dos loucos
Dos que não se dão bem

Da tristeza e da massa amorfa que é o sonho
A vidinha feliz da classe média não me interessa até porque já sei como é

Evito ler poemas ao atravessar a rua, eles podem te matar

3 comentários:

Colombina* disse...

Poemas são realmente perigosos.
Palavras, em geral, na verdade.
cuidado com elas... e as domine antes de ser dominado.
Sei que é difícil - quase impossível - mas é necessário.

Belo texto, poeta.

O Fundo do Mundo disse...

falou e disse

Cecília Borges disse...

poema que atira, dorme embaixo da marquise, escarra, sorri miserável e único pra vida. matéria-prima jorrando!!