domingo, 21 de fevereiro de 2010

Pinturas Abstratas e Desenhos Rupestres




Essa noite, enquanto ela dormia
cuidadosamente fiz tela de seu corpo

Estampas de tigres asiáticos em seus seios
luminária nas maçãs do rosto
pinturas abstratas em seus ombros

Em suas costas cravei, como asas
duas enormes velas, pra iluminar meu peito
e com a ponta da minha língua, suja da sua tinta
risquei
o interior das suas coxas

Imprimi, na sua cintura, como desenhos rupestres
a ponta dos meus dedos
e a palma da minha mão
e delicadamente, tracei o contorno da minha boca
sobre seus lábios

Quadro terminado
Tinta ainda fresca
Pendurei nas paredes do seu coração

Assinei a obra, nas curvas dos seus tornozelos.

4 comentários:

isaias de faria disse...

ótimos poemas por aqui. abraço

surto irreal disse...

assim todas ficarão apaixonadas!

abrax!

morenarosa. disse...

"assinei a obra nas curvas dos seus tornozelos"... e eu morri com esse final. perfeito, perfeito. e ela gozou, com certeza.

Velharia disse...

Sempre escreve muito bem, sempre tem força e sentimento em seus versos, sempre terá o verbo ter na sua vida, sempre será escritor, sempre será um poeta que sente, sempre escreverá sua mais linda loucura, sempre lerei seus textos palavra por palavra, sempre sentirei arrepio após a poesia lida. Parabens sempre e tudo de bom nessa vida, nessa literatura que será sua sempre.