terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Rio de Janeiro



Uma língua lasciva percorre as ruas do Rio de Janeiro
e varre a cidade em sopro libidinoso
um vento marítimo toca e cora as maçãs do rosto das moças
e os homens as devoram; suas carnes, em brutos pecados cotidianos

Praia do Flamengo
Rua Machado de Assis
Morro da Mangueira
Rodoviária Novo Rio
Lapa

Motoristas de ônibus fumam cigarros
Artistas da Globo me dão informações
“Chuva forte é a que vem do Cristo”
Um Hotel com o nome dela
Uma rua chamada desejo

Na praia, tecer desvarios ao nascer do sol
e bater palmas ao seu poente
pois sabemos que quando a noite inicia sua dança
as feras se soltam e permanecem a espreita
e desde os pontos de ônibus aos restaurantes da moda
vai-se logo sentindo na fronte o hálito da selvageria e violência oculta
evocando suor sexo e morte
e com um sorriso irônico e despretensioso
a dor, vai afinando seu violão
a tristeza, vai esticando o couro do pandeiro
e a tragédia puxando sua cadeira na roda de samba
e assim todo dia permanece sendo somente mais um dia
na cidade do Rio de Janeiro

Já nós, em nosso caminho lento
de flaneurs, braço dado a João do Rio
fazemos de todos os dias
nosso réveillon
e eu pulo então, não somente sete
mas milhares de vezes
com meus dedos
ondas sobre seu corpo
desejando pra nós
o que sabemos ser nosso

pois
o Rio de Janeiro nos faz acreditar que a vida pode ser boa
e sobretudo, que toda poesia não vale nada

*este poema contêm citação do escritor Rafa Carvalho

5 comentários:

Rafa - Vida em Obras disse...

salve, mano meu!

belo texto e uma grande honra de cá!

abraços e poesia,


rafa carvalho

Menina Muié disse...

É emocionante SENTIR suas palavras entrando na minha memória
estou feliz por poder presenciar tudo isso!

Samuel Giacomelli disse...

É isso mesmo o Rio!
Ta certinho! rs

Muito bom velho camarada e abraço no atraso pela chegança da nova idade!

Mari Pires disse...

Seu estilo é maravilhoso, encontrei o blog por acaso ... Atrás de uma foto do Bukowski (rs). Já sou fã!

ju_bomtempo disse...

Sinto a brisa do Rio nas suas palavras. A brisa quente, abafada, suada. As cadeiras balançando subindo os morros de Santa Taresa, a vida pululando na Lapa. Sinto o calor érotico e voraz em cada frase. Gratidão velho marinheiro, que sua poesia inutil aporte mais palavras nas curvas de um Rio carioca que fazem reluzir vontades.