segunda-feira, 1 de junho de 2009

O Santo esquecido da camisa aberta



Conheci muita gente louca

Que pulou da ponte, que deu a bunda sem vaselina
Que fumou todos os móveis da casa e as bijuterias da mãe morta
Que se matou sem escrever o bilhete de despedida
Que amou demais e passou o resto da vida, vivendo pra beber

Daí outro dia alguém me disse sobre o Santo Esquecido
e eu imaginei coisa que já imaginaram;
o santo esquecido
padroeiro de toda essa gente louca

nome de taxista
carioca
sambista
noitada
coisa e tal

o Santo da Camisa Aberta

um santo moderno não pode ser vingativo
nem guardar rancor
arrogante mas sincero

tudo em dobro
ao meu ver

vivendo abraçado aos seios lindos da amada ou ao peito forte d’um rapaz

Reza pr’ele
enquanto

corre corrimento

sangra sua ferida

late mas não morde


E se é dividir pra conquistar
mas, conquistar o que ...

e se querer demais pode ser perder

então

quero mais é foder com o mundo

abraçado a uma garrafa de whisky


Amém...

(abre as mãos e joga as contas no mar)



foto de pedro ladeira http://www.flickr.com/photos/pedroladeira/68133221/

2 comentários:

Leonardo disse...

Deus,
eterno blues na madrugada
sôfrega, extenuada, insône
cabeça em pane...

SALVE SE7E!

valeu a referÊncia...

Ana Cláudia Zumpano disse...

genial.